Skip to content

Tag: Windows

Download de Vídeos do Youtube Direto do Safari

Essa dica é muito boa para quem gosta de baixar os vídeos favoritos do Youtube, além de vários outros sites que distribuem vídeos pela Internet. Através do navegador Safari, da Apple, é possível fazer o download dos vídeos sem ter que entrar em nenhum outro site, ou ter que executar nenhum script para isso. A dica vale tanto para quem usa Mac OS X quanto Windows XP ou Vista.

O procedimento é tão simples que ele é composto por apenas 3 passos:

1. Acesse a página do vídeo;
2. Abra a janela de Atividade (Activity) do Safari. Aqui vem a diferença do Mac para o Windows: no mac, vá em Janela (Window) –> Atividade (Activity). No Windows essa opção não é exibida, mas a janela pode ser aberta pressionando as teclas Ctrl + Alt + A simultâneamente.
3. Na janela de Atividade, em quase 100% das vezes o vídeo será o maior arquivo. Dê 2 cliques sobre ele, e o download começará, à sua maneira em cada sistema operacional.

    video_normal
    Mais simples, impossível.

    Depois de feito o download, você pode ver o vídeo no seu player favorito, como o Quicktime, por exemplo. Pode ainda converter o vídeo para o formato que desejar. Utilizando este método, é possível fazer o download de todos os vídeos do site, os normais (em .flv), os em high-quality [HQ] (em .mp4) e os em high-definition [HD] (em .mp4).

    9 Comments

    Windows no Mac OS X, usando VirtualBox [Atualizado]

    Rodar um sistema operacional dentro de outro não é novidade. Há muito tempo existem opções de programas que criam máquinas virtuais, e muitas vezes as usamos e nem percebemos. Quem usa o Mac OS X Leopard conta basicamente com duas opções bem conhecidas. A primeira é o VMware Fusion e a outra é o Parallels. Ambas são pagas (a primeira custa US$79,99 [a partir] e a segunda, US$79,99).

    Para quem busca uma solução menos parruda e grátis, a Sun oferece o xVM VirtualBox. A instalação no Mac OS X só não é mais simples porque usa um instalador, e não o trivial drag’n’drop. Mas nada mais que alguns cliques em avançar e um em aceitar quando a licença é exibida. Como estamos falando de software para Mac (ele também existe para Windows e Linux) não preciso comentar sobre a licença.

    Depois disso, basta abrir o programa e criar uma máquina virtual. Os passos são simples e as telas são exibidas em português, com várias instruções. Após criada a máquina virtual o próximo passo é iniciá-la. O procedimento simula um boot na sua máquina virtual, então se iniciarmos a máquina com um cd do Windows, este irá iniciar o processo de instalação. Instalação completamente normal por sinal.

    Agora vou contar minhas experiências com o programa. Um breve resumo do meu hardware: Intel Core2Duo T8100 (2,1GHz), 1GB DDR2, encapsulados em um MacBook White.

    Windows Vista

    A instalação do Vista correu normalmente, foram dedicados 40GB de HD para o sistema, e 512MB de memória. Resultado: máquina real e virtual lentas. O Mac ficou inutilizável, e o Vista ficou com um delay terrível. A experiência não foi boa, e não chegou ao segundo dia. Talvez para computadores mais parrudos, com melhores recursos de memória e vídeo, a experiência possa ser mais bem sucedida. Para mim, não.

    Windows XP

    No Windows XP também ocorreu sem sobressaltos. Talvez pelas tantas vezes que já tive que repetir a rotina, e também pela eficiência do programa. Dessa vez, dediquei um pouco menos de RAM (398MB) e menos espaço em disco (31GB). O resultado foi maravilhoso. Windows e Mac rodando juntos, sem sobressaltos. É possível colocar a máquina virtual em um space e continuar usando os outros. Testei rodar a máquina virtual com o XP, o Safari, o LittleSnapper e o Adium ao mesmo tempo, e não tive problemas. Abaixo uma imagem do Windows rodando na máquina virtual:

    Windows rodando sob o Mac OS X

    Windows rodando na máquina virtual

    Agora vou aos motivos que me levaram a instalar uma máquina virtual no Mac. Posso dizer que estou quase completamente feliz com o Mac OS X. Não digo adaptado, pois um usuário adaptado não é o mesmo que um feliz. O adaptado consegue usar um programa (ou ferramenta), mas não vê a hora de terminar o que tem que fazer e voltar para um ambiente que se sinta feliz. O Windows funciona muito bem, eu o utilizo por mais de 6 horas por dia, mas para trabalhar. Em casa sou feliz no Mac, onde as coisas simplesmente funcionam (e bem). Pode parecer bobagem essa história do just works, mas se você geralmente não tem tempo (ou conhecimento técnico, ou paciência) para ficar buscando em fóruns as soluções para fazer aquele driver funcionar, ou então conseguir descobrir aquela linha de comando para fazer algo funcionar, verá que que usar Mac é focar apenas no que se quer fazer, e o sistema cuida do resto.

    Mas nem tudo são nuvens, pois alguns programas essenciais ou não existem para o Mac ou não possuem todas as funcionalidades da versão para Windows (o inverso também existe!). Um que não existe no sistema da maçã é o Windows Live Writer (que estou utilizando para escrever este post). Ele é um ótimo exemplo de programa da Microsoft que é amado e invejado por quem usa outros sistemas operacionais. Simplesmente fantástico. O que funciona parcialmente é o Excel. Na versão para Mac, não é possível trabalhar com macros, VBA e nem tabelas dinâmicas. Tudo o que eu mais uso para trabalhar.

    Por isso que eu instalei Windows XP, apenas por causa desses dois programinhas. Quando tiver que usar o Excel ou escrever um post poderei fazê-los sem ter que deixar de usar o Mac. E assim que terminar, basta encerrar o programa e o campo de distorção da realidade volta a funcionar com toda carga. 😉

    Configurando a rede

    Configurar a rede no VirtualBox é relativamente simples (exceto se você usa um modem 3G). Você pode utilizar a placa de rede com fios (ethernet) ou a placa wireless AirPort. Para isso, você deve estar com a máquina virtual desligada. Depois, clique em configurações e navegue até a seção de rede. Aí é só escolher um modelo de placa de rede, selecionar a opção “Placa em modo Bridge” em “Conectado a” e depois escolha placa de rede que você quer compartilhar em “Conectado a”. Veja uma imagem da configuração da placa ethernet:

    config_network_virtualbox

    Por que não BootCamp?

    Para quem quer rodar jogos, ou utilizar programas mais pesados ou quer usar todos os recursos disponíveis no sistema (vídeo, memória, etc…) a instalação do Windows via BootCamp ainda é a melhor opção. Minha experiência com o Windows Vista foi muito boa (tirando o relógio do Mac atrasar toda vez que eu voltava do Windows). Mas para simplesmente usar 2 programas e depois voltar a para as outras atividades não é viável ter que desligar o computador, religá-lo  usando o Windows, e depois desligá-lo e voltar para o Mac. Os programas e documentos abertos terão que ser fechados e o foco se perde, geralmente. Para mim, usar a máquina virtual tem sido uma experiência muito produtiva, e me deixou um usuário Mac ainda mais feliz.

    PS: Vale lembrar que apesar de virtual, as licenças do Windows e dos demais programas têm que ser genuínas, como em qualquer instalação em máquinas não-virtuais.

    [ATUALIZAÇÃO] – Compartilhar Pastas

    Recebi algumas dúvidas a respeito de como compartilhar pastas entre o VirtualBox e o Mac OS X. Apesar de não usar mais o VBox, resolvi pesquisar um pouco, e é bastante simples:

    1. Instalar os “Guest Additions”: Clique em Devices e depois clique em “Install Guest Additions”:


    Imagem: Fórum VirtualBox

    2. Vá nas configurações da máquina virtual e vá até a seção “Shared Folders”. Clique no botão de adicionar e escolha uma pasta. ATENÇÃO: Tente usar um nome simples para a pasta compartilhada, sem espaços e sem caracteres especiais.

    Só isso! Caso as coisas não apareçam exatamente da forma como eu descrevi, peço que me digam, pois como eu disse não uso mais o VBox, e fiz essa atualização segundo as dicas de um tópico do fórum do desenvolvedor, se quiser vê-lo, clique aqui. Espero ter ajudado!

    94 Comments

    Sincronizando celulares Sony Ericsson com o computador

    Algumas pessoas são esquecidas. Outras são tão esquecidas que sequer se lembram de anotar suas tarefas. Eu faço parte da segunda categoria. Não adianta tentar lembrar depois, a idéia vai dar uma volta e só reaparece quando quer.

    Para amenizar isso, pessoas esquecidas TEM que anotar as coisas a fazer de alguma forma, e fazê-lo o mais rápido possível. Para atrapalhar ainda mais as coisas, nem sempre dispomos de papel e caneta em mãos. Um dos únicos apetrechos que servem para registrar informações é o celular.

    Para manter os dados que são registrados no celular sempre atualizados com os calendários e demais programas de organização do computador é necessário executar sincronizações periódicas, assim os eventos mais novos estarão sempre atualizados em ambos locais. E o melhor de tudo é que existem programas que fazem essa tarefa por você, e melhor ainda é que eles são grátis!

    Para Mac:

    Quem usa o sistema da maçã sabe o quanto é fácil manter seus contatos sempre atualizados. O iSync cuida de manter o iCal (calendário), Agenda e demais serviços atualizados sem nenhuma dificuldade, até mesmo via bluetooth. Mas o grande problema do iSync é que ele tem que ser executado “on-demand”, ou seja, o usuário tem que mandar o programa ser executado, e também ligar o dispositivo bluetooth caso esteja desligado.

    Para que você sequer tenha que se dar ao trabalho de ativar o bluetooth e ainda programar um intervalo de tempo (ou um horário específico) para realizar sincronizações, a solução mais simples que existe é o iSyncIt. Com ele é possível programar sincronizações, que acontecem em segundo plano. O programa utiliza o Growl para notificar que ligou o bluetooth, iniciou a sincronização, terminou de sincronizar e desligou o bluetooth (ainda economiza bateria!). Para quem quer automatização total, basta desligar a confirmação de alterações em grande quantidade do iSync.

    isyncit

    De fato, o aplicativo é um script “melhorado”, que executa funções já presentes no sistema operacional de forma automática.

    Para Windows:

    Quem usa Windows não fica chupando dedo. O MyPhoneExplorer pode ser considerado uma verdadeira suite de gerenciamento do telefone. Ele sincroniza muito mais que tarefas, calendário e contatos. Com ele, é possível fazer backup de mensagens SMS, notas, ver lista de chamadas (enviadas, recebidas, perdidas), ver status de bateria, qualidade de sinal da operadora, entre outras coisas. É possível armazenar os dados no próprio programa ou então escolher os programas que receberão cada uma das informações.

    Além das opções de sincronização, ele também fornece uma interface entre o computador e o celular no modo telefone, caso o software da Sony Ericsson não tenha sido instalado. Existe também uma opção de ajustar o relógio do celular com um relógio atômico. Também existe um gerenciador de arquivos presentes no aparelho.

    myphoneexplorer

    Na minha opinião, cada programa tem suas características bem semelhantes aos sistemas operacionais para os quais foram feitos. O iSyncIt é ridiculamente simples, mas funciona e muito bem para o que se propõe. Já o MyPhoneExplorer é cheio de recursos e funcionalidades e também funciona bem (não pude testá-lo sincronizando via bluetooth). O ponto positivo do aplicativo para Apple é que ele funciona com qualquer celular que seja compatível com o iSync. Já o para Windows funciona apenas com aparelhos Sony Ericsson.

    Links para download:

    iSyncIt: Link
    MyPhoneExplorer: Link

    5 Comments

    iWorks ’09 – Numbers

    Foi lançada durante a última MacWorld a nova versão da suíte iWork, que tem seus produtos (Pages, Numbers e Keynote) como principais concorrentes da Suíte Office:mac para o sistema opercional Mac OS X.

    numbers

    Como usuário diário do Microsoft Excel, comecei meu tour pelo Numbers, o editor de planilhas do iWork.Para o primeiro dia, ele me pareceu útil, mas depois de uma análise mais completa, ele ainda é mais complicado, menos funcional e menos robusto que o Excel. Possui vários modelos, com dezenas de modelos de gráficos, tabelas uma centena de novas fórmulas. Mas algumas coisas ainda irritam, como se você digitar “=soma(” e apertar a seta para cima ele simplesmente não seleciona a célula acima da que se está digitando. E isso é uma pedrinha no sapato que incomoda muito quando se está trabalhando. Outra falha que encontrei foi quando se digita a fórmula “=aleatório()” para gerar um número aleatório entre 0 e 1, o programa não aceita a inclusão do acento, o que faz com que a fórmula digitada “=aleatorio()” não seja reconhecida. Para fazê-la funcionar, temos que digitar “aleatório()” e depois voltar com o cursor no início do texto e inserir o “=”.

    O numbers também não se mostrou robusto para lidar com arquivos grandes, com muitas planilhas e tabelas gerados originalmente no Excel. Ao tentar abrir um arquivo com 60 MB gerado no Excel 2007, e cerca de 190 mil linhas em uma das planilhas, o Numbers retornou uma mensagem dizendo que o arquivo era grande demais para ser importado. Também não encontrei nada refente a importação de dados em arquivos csv ou texto ou outros formatos de bancos de dados.

    Enfim, na minha opinião o iWork funciona bem para quem quer um editor de planilhas para fazer algo bonito para apresentar uma tabela ou alguns gráficos. Se você precisa de uma ferramenta mais produtiva, com recursos de tabelas dinâmicas, importação de dados, trabalhar com muitas linhas, você deve começar a considerar o produto da Microsoft. E se você usa macros, pode ir começando a instalar o Windows pelo BootCamp e usar o Office para Windows.

    No próximo post falarei sobre o iWork.com.

    4 Comments

    Converta DVD’s para o seu PC (ou Mac)

    Não é raro pessoas terem vídeos em DVD e querer salvá-los (ripar) no computador. Seja um filme ou seja um show, a tarefa fica fácil com o Handbrake. Esse programa permite que se salve todo o conteúdo do disco, ou que se escolha um título ou capítulo específico a ser salvo. Os vídeos podem ser salvos nos formatos MP4, MKV, AVI ou OGM. Além disso, o programa funciona em Windows, Mac OS X e Linux.

    Existem várias configurações para os vídeos a serem salvos, incluindo vários pré-definidos, entre eles: Televisão, iPhone/iPod Touch, iPod, PS3, PSP, XBOX 360. Também é possível criar outras configurações personalizadas e salvá-las para usar mais tarde. Veja abaixo a tela principal do programa (no Mac):

    Para quem pretende usar os vídeos no celular, por exemplo um Sony Ericsson W580i, escolha a opção “Format: MP4 File” e “Codecs: MPEG-4 video / AAC Audio” para evitar problemas de compatibilidade. Escolha também “Quality -> Average bitrate (kbps): 386” e “Framerate (FPS): 24”. Assim vídeo não será exibido com falhas no celular e nem ocupará muito espaço de armazenamento.

    Também é possível incluir as legendas, escolhendo-se qual delas será exibida (em caso de mais de uma opção). Também é possível escolher qual será o áudio será usado na existência de mais de uma opção. Para determinar o tamanho do vídeo escolha “Picture Settings…” nas opções de vídeo. Lá, é possível definir o tamanho desejado. Para o Sony Ericsson W580i, o tamanho é 320 x 240.

    O programa conta ainda com um sistema de fila, onde é possível adicionar vários trabalhos e executá-los de uma só vez. Isso é bastante útil caso se queira converter capítulos em arquivos separados, criando um evento na fila para cada um. Mas não se esqueça de usar nomes diferentes para cada um.

    Se o usuário preferir, também pode converter o vídeo usando as configurações padrão e depois reconverter para a forma que desejar usando o Any Video Converter.

    Aqui estão os downloads para Windows (2000/XP/Vista), Mac OS X 10.5 e Linux (.deb x86).

    Leave a Comment

    Cuidado com o Horário do Windows

     relógio_windows

    Para o Windows, o horário de verão começa hoje. Ele não deve saber que horário de verão é definido por decreto e que esse ano ele só começa na madrugada do dia 18 para o dia 19. Então muito cuidado na hora de usar o relógio do computador, pois ele pode estar errado, como o meu, que marcava 00:19 quando ainda eram 23:19. Se você usa Windows, lembre-se que ele pode estar uma hora adiantado.

    Blog Blogs Marcas: , , , , ,
    2 Comments

    Blog de Desenvolvimento e Site do Windows 7 revelados

    Foi lançado no dia 14 na MSDN um blog de desenvolvimento do Windows 7. Ontem foi adicionada uma postagem em que são apresentados detalhes como, a intenção de um debate com os outros desenvolvedores a respeito de novidades/recusros/melhorias. O autor, identificado na comunidade MSDN como steven_sinofsky também fornece dicas de como a equipe de desenvolvimento é dividida em áreas como: Sistema de Arquivos, Segurança, Internet Explorer, Internacionalização, entre outros.

    Também foi lançado o site do Windows 7, com a página de EULA (End user license agreement), mas ela informa que o sistema ainda está em desenvolvimento, e cita alguns conteúdos que podem vir a ser abordados futuramente: Windows 7 Privacy Statement, Windows Media Player, Activation e Validation. Isso mostra que deve estar a caminho uma nova versão do Windows Media Player para o Seven. coinstar 10k Coinstar Money Transfer, UKRAINE, KHARKOV
    No caso do Internet Explorer, a versão adotada deverá ser a 8, já em fase de testes.

    Mais que informações de grande relevância, isso mostra que o time de desenvolvimento está se mexendo e também que informações mais precisas deverão vir nos próximos meses. Só lembrando que a previsão de lançamento do sistema é para 2009.

    Para conferir o blog na MSDN: http://blogs.msdn.com/e7/default.aspx

    Para conferir o site: http://www.microsoft.com/windows/windows-7/eula.aspx

    Via: Omitek

    18 Comments