Skip to content

Tag: Microsoft

Um Pouco de Excel – Parte I

Depois de um ano trabalhando diariamente com o Excel 2007 acho que já estou em condições suficientes para compartilhar um pouco do que sei. Vou falar um pouco dos recursos, funções e algumas técnicas e dicas. Pretendo fazer isso semanalmente. Mas antes de começarmos, vamos combinar algumas coisas:

1. Não é meu propósito escrever um curso de Excel. Aqui vou postar apenas algumas dicas, fazer alguns esclarecimentos. Existem no mercado diversos cursos de Excel. Como eu nunca frequentei nenhum deles, não vou indicar nenhum.
2. Não trabalho na Microsoft, nem sou VP. Também não presto suporte técnico ou configuração do produto. Se você tiver algum problema técnico, favor enviá-lo ao suporte da Microsoft.

    Acho que é só isso. Qualquer dúvida quanto a como fazer alguma coisa, sintam-se livres para perguntar nos comentários. Agora vamos ao que interessa.

    O Excel

    Como eu disse, não estamos em um curso. Então vamos passar rápido por essa parte. Vamos lembrar da cara do Excel:

    Excel 2007 Full
    Excel 2007

    Esta é a janela padrão do Excel 2007. Acima vemos o “Botão do Office”, os grupos de menus, a barra de fórmulas e a área de células. Esse retângulo preto com bordas espessas da figura é uma célula. Reparando bem, é possível identificar também a linha “2” na barra a esquerda, e a letra “B” na barra acima da área de células. Isso quer dizer que esta é a célula “B2”, como pode ser conferido na imagem abaixo, que mostra a barra de endereços:

    Excel_2007_Endereco
    Célula e Barra de Endereços

    Todas as células do Excel tem um endereço, e é muito importante saber lidar com eles para que se possa desenvolver as fórmulas que veremos daqui por diante.

    Agora vamos ver os grupos de menus do Excel 2007. Ao contrário do que normalmente estamos acostumados, não temos uma barra estática que mostra caixas de opções em texto. Ao clicar em uma das opções (“Início”, “Inserir”, …), as opções de cada grupo são exibidos, de forma dinâmica. Raramente teremos janelas de opções pulando na tela do computador para efetuar a maioria das tarefas.

    Excel_2007_Menus
    Botão do Office, Grupos de Menus, Barra de Endereços e Barra de Fórmulas

    Para terminar por hoje, vamos ver como funciona a organização das informações. Quando criamos um arquivo .xlsx (Excel 2007) e .xls (Excel 2003 e anteriores), criamos uma Pasta. Dentro dessa pasta, existe uma ou mais planilhas. Dentro das planilhas, estão as células. E dentro das células estão as informações, basicamente. As planilhas são exibidas na parte inferior da janela, como mostra a imagem abaixo:

    Excel_2007_Planilhas
    Barra de Planilhas

    Por padrão, quando se cria um novo arquivo (Pasta), existem 3 pastas. Você pode deletar, renomear ou criar novas planilhas entre outras coisas. Para isso, basta clicar com o botão direito do mouse sobre a aba, e escolher a opção desejada. Para criar uma nova planilha, deve-se clicar na aba que tem o desenho de uma estrela amarela sobre uma aba.

    Por hoje ficamos por aqui. Não se esqueça de assinar o feed para poder acompanhar as próximas partes. Mais uma vez, qualquer dúvida é só perguntar nos comentários.

    1 Comment

    Nem só de Google pode viver a Internet

    Recentemente a Microsoft lançou o Bing, um serviço de busca que vem empolgando algumas pessoas importantes da área tecnológica, como Steve Wozniak, por exemplo. Mas os usuários mais comuns, de carne e osso, em geral não gostaram do serviço. Foi criticada a relevância dos resultados, que por sinal é o principal ponto da campanha da Microsoft em cima do Bing. Criticaram também as fotos que o serviço exibe na sua homepage, e a falta de grandes novidades.

    No tópico do fórum do Meio Bit sobre o assunto, eu fiz um comentário em que disse que achava muito contraditório o público do site, tão sedento por novidade, fechar uma posição tão intransigente a favor do Google e contra o Bing. Aí, ainda durante essa semana, o google lançou um novo serviço no Labs, o Google Squared. A idéia é exibir os resultados em forma de matrizes, com informações sobre cada resultado agrupadas em colunas. A idéia é muito boa, se funcionasse desde o primeiro dia, como foi cobrado da Microsoft. Vejam os reultados de duas buscas que fiz:

    A primeira foi “brazilian soccer teams”. Lembrando que o serviço ainda está disponível apenas em Inglês. Vejam o resultado:

    google_squared

    Com todo respeito aos clubes listados, mas para quem cobra relevância de resultados do Bing, ter o Comercial como primeiro resultado na busca por times de futebol brasileiros não é exatamente a melhor definição de relevância.

    Ok, vamos mudar “teams” por “clubs”, afinal vários times do Brasil tem “Clube” no nome. A busca então ficou “brazilian soccer clubs”, e os resultados foram:

    brazilian_soccer_clubs

    Relevância de resultados bem melhor agora, mas as únicas informações corretas são as da 1ª coluna e algumas da 3ª. O restante parece até piada. Para o Vasco da Gama, foram exibidas as informações do navegador português. Já o nome completo do Botafogo foi “Ronaldo Luís Nazário de Lima”, que atualmente joga no Corinthians. A posição do Santos é “Defender”, ou zagueiro no nosso idioma. E dizer que o apelido do Internacional de Porto Alegre é “Seleção Canarinho” quase foi pior que o do Vasco da Gama.

    Entendam aue não estou criticando o Google por lançar serviços novos, com uma idéia que tem tudo para dar certo, apesar de não ser original. O que eu estou questionando é o pensamento tão cristalizado de que serviços Web da Microsoft não prestam, e que tem que descobrir a roda caso queiram ter algum sucesso. Ora, o Bing está apenas no começo de sua carreira no mundo dos buscadores, e já é cobrado que ele seja estupendamente melhor que o Google, líder absoluto do setor, por causa de seus méritos. Mas o Google também passa seus apertos na hora de lançar coisas novas, e elas vão ao tempo se aprimorando.

    Como eu disse lá no Meio Bit, não devemos nos fechar em uma tecnologia ou um serviço, se não estaremos condenando a Internet a se congelar em alguns nomes, e iremos bloquear a vontade de criar algo novo, essa força que vem movendo todo o seu desenvolvimento nesses últimos anos.

    1 Comment

    O mundo virtual é tão hipócrita quanto o real

    Não adianta, o mundo virtual é exatamente igual ao real. Ele apenas apresenta com cores mais fortes certas nuances. E quando esses dois mundos se cruzam, principalmente nos Tribunais, o resultado geralmente é desastroso. Na última sexta-feira a União Européia declarou que a “venda” do navegador Internet Explorer junto com o Windows viola as leis antrituste da UE. A Microsoft, simplesmente aceitou a retirada do programa do sistemas sistemas operacionais vendidos para os países do bloco, e afirmou que está completamente comprometida a seguir as leis.

    O Internet Explorer sempre foi alvo de diversas ações na justiça de vários países, provavelmente por possuir a liderança absoluta no mercado de navegadores. A ação que foi julgada procedente sexta-feira foi movida pela Opera Software, que produz o navegador Opera, o melhor browser que ninguém usa. Por ser um processo contra a gigante Microsoft, muitas pessoas tendem a defender a decisão da Corte européia, afinal o porte da MS e o market share do seu sistema operacional Windows são estrondosos e pode parecer uma briga de chiwawa com Pitbull de rinha.

    532px-opera_o

    Opera – O melhor navegador que ninguém usa

    Mas se analisarmos um pouco o cenário atual de browsers podemos ver que a competição talvez seja a maior no mercado de software. Temos Firefox, Internet Explorer , Safari, Opera e Chrome entre os mais badalados. Além disso todos eles são grátis e todos funcionam muito bem no Windows. Para mostrar ainda mais como a decisão é um tanto equivocada, TODAS as distribuições Linux que já usei vêm com um navegador incluso, e na grande maioria ele é o Firefox. E ninguém se incomoda com issso. Por que cargas d’água a Microsoft é culpada se a maioria das pessoas resolve usar o seu navegador. Opções não faltam, todas elas igualmente gratuitas.

    Imagine se a moda pega e todas as cópias do Windows distribuídas ao redor do mundo vierem sem o IE. Você vai ter que ir na casa do vizinho e pedir para usar a internet para fazer o download do browser, pois sem um você não consegue fazer quase nada on-line. Mais ou menos como pedir uma xícara de açúcar, não?

    Muito obrigado ao Thiago Rodrigues por notar um erro no título, que já foi corrigido.

    aqui.

    3 Comments

    iWorks ’09 – Numbers

    Foi lançada durante a última MacWorld a nova versão da suíte iWork, que tem seus produtos (Pages, Numbers e Keynote) como principais concorrentes da Suíte Office:mac para o sistema opercional Mac OS X.

    numbers

    Como usuário diário do Microsoft Excel, comecei meu tour pelo Numbers, o editor de planilhas do iWork.Para o primeiro dia, ele me pareceu útil, mas depois de uma análise mais completa, ele ainda é mais complicado, menos funcional e menos robusto que o Excel. Possui vários modelos, com dezenas de modelos de gráficos, tabelas uma centena de novas fórmulas. Mas algumas coisas ainda irritam, como se você digitar “=soma(” e apertar a seta para cima ele simplesmente não seleciona a célula acima da que se está digitando. E isso é uma pedrinha no sapato que incomoda muito quando se está trabalhando. Outra falha que encontrei foi quando se digita a fórmula “=aleatório()” para gerar um número aleatório entre 0 e 1, o programa não aceita a inclusão do acento, o que faz com que a fórmula digitada “=aleatorio()” não seja reconhecida. Para fazê-la funcionar, temos que digitar “aleatório()” e depois voltar com o cursor no início do texto e inserir o “=”.

    O numbers também não se mostrou robusto para lidar com arquivos grandes, com muitas planilhas e tabelas gerados originalmente no Excel. Ao tentar abrir um arquivo com 60 MB gerado no Excel 2007, e cerca de 190 mil linhas em uma das planilhas, o Numbers retornou uma mensagem dizendo que o arquivo era grande demais para ser importado. Também não encontrei nada refente a importação de dados em arquivos csv ou texto ou outros formatos de bancos de dados.

    Enfim, na minha opinião o iWork funciona bem para quem quer um editor de planilhas para fazer algo bonito para apresentar uma tabela ou alguns gráficos. Se você precisa de uma ferramenta mais produtiva, com recursos de tabelas dinâmicas, importação de dados, trabalhar com muitas linhas, você deve começar a considerar o produto da Microsoft. E se você usa macros, pode ir começando a instalar o Windows pelo BootCamp e usar o Office para Windows.

    No próximo post falarei sobre o iWork.com.

    4 Comments

    Live Mesh agora para Mac!

     

    A Microsoft não brinca em serviço. Enquanto muita gente ainda especula sobre cloud computing a empresa já está se mexendo para não ter que correr atrás do prejuízo depois. Provas disso são o “Web Applications for Office”, que deverá ser integrado ao Office Workspace, e o Live Mesh. O primeiro deverá criar um ambiente web e cross-browser para criação e edição online de documetos, à la Google Docs, mas não um clone, claro.

    Já o Live Mesh, que já está no ar há algum tempo para alguns usuários é um sistema de armazenamento onde o usuário pode guardar seus documentos na “nuvem”, mantendo eles sincronizados com uma pasta específica no PC. Atualmente seu espaço de armazenamento é de aproximadamente 5Gb, independente da sua conta no Live Mail. Mas o grande passo foi a possibilidade de estender a sincronização também para computadores usando Mac OS X 10.5 e Windows Mobile. Isso abre o leque de usuários para algo em torno de 99% dos usuários domésticos de computadores. Abaixo segue uma tela do serviço no Mac:

    A aposta da empresa em manter ativa sua divisão que cuida do Office para Mac, além da inclusão do Leopard nos devices que podem ser sincronizados pelo Live Mesh mostra que apesar das propagandas nem tão amistosas entre as empresas, a Microsoft sabe que não pode deixar de ladoos usuários Mac, e que o conceito de mobilidade e sincronização tão falado por Bill Gates segue sendo perseguido pela empresa.

    Referências: Meio Bit e MacMagazine

    Leave a Comment

    Blog de Desenvolvimento e Site do Windows 7 revelados

    Foi lançado no dia 14 na MSDN um blog de desenvolvimento do Windows 7. Ontem foi adicionada uma postagem em que são apresentados detalhes como, a intenção de um debate com os outros desenvolvedores a respeito de novidades/recusros/melhorias. O autor, identificado na comunidade MSDN como steven_sinofsky também fornece dicas de como a equipe de desenvolvimento é dividida em áreas como: Sistema de Arquivos, Segurança, Internet Explorer, Internacionalização, entre outros.

    Também foi lançado o site do Windows 7, com a página de EULA (End user license agreement), mas ela informa que o sistema ainda está em desenvolvimento, e cita alguns conteúdos que podem vir a ser abordados futuramente: Windows 7 Privacy Statement, Windows Media Player, Activation e Validation. Isso mostra que deve estar a caminho uma nova versão do Windows Media Player para o Seven. coinstar 10k Coinstar Money Transfer, UKRAINE, KHARKOV
    No caso do Internet Explorer, a versão adotada deverá ser a 8, já em fase de testes.

    Mais que informações de grande relevância, isso mostra que o time de desenvolvimento está se mexendo e também que informações mais precisas deverão vir nos próximos meses. Só lembrando que a previsão de lançamento do sistema é para 2009.

    Para conferir o blog na MSDN: http://blogs.msdn.com/e7/default.aspx

    Para conferir o site: http://www.microsoft.com/windows/windows-7/eula.aspx

    Via: Omitek

    18 Comments