Skip to content

Tag: comentários

Repetição de Conteúdo na Internet

A Internet é sem dúvida o paraíso virtual da informação. Pela rede, diáriamente circulam milhões de notícias vindas de todas as partes do mundo, e lidas por todas as partes do mundo, também. Como eu disse no post anterior, o tempo que uma notícia leva para ser publicada é justamente o tempo que leva para ser digitada. Não tem mais essa história de aguardar a próxima edição para ela aparecer. E com toda essa facilidade, um fenômeno vem ocorrendo sistematicamente: a repetição de grande parte das notícias.

Se um pinguim aparecer em uma praia no Piauí, todos os meios de comunicação irão dar espaço à notícia. Até aí tudo bem, é o trabalho deles. Mas na Internet, provavelmente os maiores portais e jornais irão exibir exatamente a mesma notícia, com o mesmo título e o mesmo texto (eu também já falei sobre isso). Enquanto os blogs irão reproduzir também a notícia, porém os mais sérios irão publicá-la à sua maneira particular, com enfoques diferentes.

É nisso que difere basicamente a reprodução das notícias nos sites corporativos e nos blogs: nos primeiros, a matéria é simplesmente duplicada, de forma automatizada. Tem-se várias cópias idênticas da mesma coisa. Os blogs por sua vez (tirando aqueles que roubam texto) fazem a cobertura do fato, mas deixam uma opinião, adicionam outras informações, dão outros enfoques ou até brincam com as notícias. E permitem que os leitores também participem da brincadeira e enriqueçam a discussão sobre o tema. Por isso eu prefiro os blogs.

Leave a Comment

Com comentários

De uns tempos pra cá (muito tempo, na verdade) o mais conhecido site de leilões e compra e venda de produtos da Internet brasileira implantou um sistema de opiniões dos clientes para os produtos mais vendidos. Aí já viu como é que a coisa anda quando qualquer um pode chegar e meter o bedelho:

anta

Como é que esse “cidadão” foi dar opinião de um produto que ele nunca usou? E o pior ainda é que 6 trouxas ainda classificaram a falta de opinião como útil. Olhem só o pró da câmera: “O monitor possui excelente definição”. Isso lá é qualidade relevante. Não estamos falando de um monitor ou de uma televisão. Pelo jeito o site não tem um sistema de moderação das opiniões dos usuários, porque “Ainda não comecei a usar o produto Nikon D40, portanto não posso opinar.” não é coisa que se escreva. Opinou pra quê?

Blog Blogs Marcas: , ,
Leave a Comment

A quem pertece os comentários dos blogs?

comment

O site Weblog Tools Collection fez um post em que se pergunta de quem é a propriedade dos comentários feitos pelos leitores. Me parece uma questão bastante instigante, visto que os comentários são feitos em um blog de uma outra pessoa, são armazenados no servidor do dono do blog, mas são a expressão de quem os faz, além de geralmente possuírem o link para o blog/site do autor do comentário.

O site leva a crer que sua opinião é de que cada blog deve criar uma espécie de Política de Comentários e nela ser definido o que pode ou não ser comentado e o que pode ou não ser apagado ou editado pelo dono do blog. Compartilho com o site a opinião de que é uma questão mais ética que de jurisprudência. Por exemplo, durante a fase tempestuosa que passei a um mês atrás com minha antiga hospedagem, foram perdidos dois comentários de uma leitora que nunca havia comentado antes. E também nunca mais comentou. Eu fiz um post pedindo perdão pelo fato, mesmo não sendo minha a culpa pela perda dos comentários, pois eu havia feito um backup pouco antes da tragédia. De fato, só houve um comentário depois do ocorrido.

Uma outra observação que parece ter algum sentido foi de um usuário do Weblog Tools Collection que disse que os comentários são mais ou menos como protegidos por direitos autorais, porém o dono do blog possui direitos totais para apagar, modificar e utilizar os comentários.

Aqui no victorfranco.net os comentários pertencem a seus respectivos autores, eu apenas me resguardo o direito de editar ou remover qualquer comentário caso esse incorra em alguma ilegalidade ou possuir trechos que possam prejudicar a integridade/segurança de outras pessoas. Em breve pretendo fazer uma página com a Política de Comentários sugerida pelos Weblog Tools Collection.

E você? De quem você acha que pertencem os comentários?

Blog Blogs Marcas: , , , ,

4 Comments

Adobe Buzzword

Ainda em versão beta, a Virtual Ubiquity -uma empresa da Adobe- lançou o buzzword, um editor de textos completamente baseado na web.

Com um visual extremamente elegante em preto, o buzzword possui um organizador dos documentos que possui várias opções de organização, inclusive por ordem de autor. Há também várias informações sobre o documento.

Já o editor de textos em si, a parte mais importante do sistema, é bem organizado e possiu ferramentas muito boas, como inserção de imagens, ecolha da cor do texto e da página, algumas fontes, opção de criação de listas numeradas e com marcadores, criação de tabelas, cabeçalhos e rodapés, hiperlinks, entre outros.

Porém uma das funções mais interessantes é a habilidade de criar comentários no texto. E cada comentário vem com a identificação de quem o criou. Outra função muito importante é a colaboração na edição do documento. Clicando no botão ‘Share’ o editor tem a opção de digitar o e-mail de alguém para compartilhar seu trabalho. Existem três níveis de compartilhamento, que deve ser atribuído no momento em que se faz o compartilhamento: Co-Author, onde é permitido acesso total ao documento para Propecia whithout prescription edição e comentários; Reviwer, onde é permitida a leitura e os comentários; e Reader, onde é permitida apenas a leitura do documento. Outra opção interessante é o histórico de alterações do documento, que permite inclusive a restauração a partir de pontos salvos anteriormente.

Para aqueles que precisam fazer trabalhos em grupo o buzzword é uma ótima solução. Por ser totalmente on-line e baseado em Flash, ele é quase indiferente ao navegador e ao sistema operacional que o usuário utiliza. Parece ser também muito mais intuitivo para o usuário que os outros editores on-line, como o editor de textos do Google Docs. É também muito mais rápido, pois toda a interface é carregada uma única vez, durante a inicialização. Fica aí uma boa dica.

Leave a Comment