Skip to content

Tag: busca

Um Pouco de Excel – P2: O PROCV

Procv. Esta função, que para muita gente parece uma mistura de bicho-de-sete-cabeças com Oráculo (não confundir com Oracle), no fundo é bastante simples, e pode facilitar bastante nosso trabalho.

Há quase 2 anos atrás, criei um post sobre Excel, e a ideia seria continuar escrevendo regularmente algumas dicas de quem passa horas e horas trabalhando neste programa de linhas e colunas. O fato é que nesse tempo, tempo é o que mais vem faltando, e por isso demorei tanto a falar no assunto.

Chega de conversa. Vamos trabalhar um pouco. Nosso objetivo hoje será criar uma planilha em que digitamos uma data em uma célula qualquer e ela nos retorna o valor do Dólar Comercial para aquela data. Vou tentar ser o mais detalhado possível.

Para começar, crie uma nova pasta de trabalho no Excel. Em seguida, vamos digitar as informações da cotação do dólar, começando pela célula B2, com as datas uma abaixo da outra na coluna B e as cotações ao lado da respectiva data, na coluna C:

Cotacao dolar

Aqui começa a primeira regra a ser seguida quando se vai utilizar o PROCV: os valores em que vamos procurar o que queremos devem sempre estar à esquerda dos valores que queremos retornar. SEMPRE!

Depois disso, vamos pintar a célula E2 de amarelo, apenas para destacá-la. É nela que vamos colocar a data que queremos retornar a cotação. Feito isso, vamos começar a escrever a fórmula, ma célula F2, que é onde será retornada a cotação do dólar para o dia que escrevermos na célula E2.

O PROCV é dividido em 4 partes: o que procuramos, onde procuramos, que valor retornar, e a precisão. No nosso caso, a precisão vai ser exata, ou seja, a fórmula só nos retorna resultado se exatamente o que procuramos for encontrado.

Com a célula F2 selecionada, digite:

=procv(E2;$B$2:$C:$8;2;0)

Explicando: o “=procv(” indica a função que vamos utilizar é a PROCV. os parâmetros da função, separados por ; são, respectivamente:

  • E2 – a célula que contém o valor que vamos procurar. O VALOR que está dentro da célula. Se nela há uma fórmula que retorna um valor, o que vai ser procurado vai ser este VALOR.
  • $B$2:$C$8 –  onde está a tabela com os dados. Aqui está o pulo do gato do PROCV, pois a fórmula só procura valores na primeira coluna. Então, se o valor que você procura está na segunda coluna, você não vai conseguir encontrá-lo com um PROCV simples. Outro detalhe SUPER importante é bloquear o intervalo para não se mover com as linhas ou colunas caso a fórmula seja arrastada. Se o valor que você procurar estiver em uma posição na lista menor que o número de células arrastadas para baixo, ele não será encontrado. Se arrastar para o lado, a primeira coluna deixará de ser a que contêm o valor que se procura. Então, SEMPRE bloqueie as células do intervalo.
  • 2 – Número da coluna do intervalo da qual queremos retornar o valor. Aqui entra a mecânica do PROCV: dizemos um valor, ele procura na primeira coluna de uma tabela, e quando encontra, retorna a coluna que pedimos na mesma linha.
  • 0 – Correspondência exata: só retorna o valor caso se encontre EXATAMENTE o que procuramos. Se tiver um espaço a mais, já era.

Dê enter.

Nossa planilha deve ficar assim:

Procv

O valor retornado é um erro, mas porque estamos procurando “vazio”, que é o resultado que temos na célula amarela (E2). Agora, digite uma data da tabela na célula amarela, e veja o resultado:

Procv2

Na célula F2, o resultado da fórmula foi o a cotação do dólar no dia escolhido. Tente mudar a data e veja o resultado. Coloque uma data que não está na tabela, e vamos ter o mesmo erro que tivemos com a célula amarela “vazia”. Isso é porque o PROCV retorna um erro quando ele não encontra o valor que pedimos na primeira coluna da tabela. Há algumas formas de tornar este erro mais apresentável, mas sobre isso falarei em um outro post.

É isso, pessoal! Muito complicado? Com um pouco de prática, os PROCV’s começam a ser mentais, fácil, fácil.

Espero ter ajudado! Se quiser, pode fazer o download do arquivo que preparamos aqui: procv.xls.

4 Comments

Nem só de Google pode viver a Internet

Recentemente a Microsoft lançou o Bing, um serviço de busca que vem empolgando algumas pessoas importantes da área tecnológica, como Steve Wozniak, por exemplo. Mas os usuários mais comuns, de carne e osso, em geral não gostaram do serviço. Foi criticada a relevância dos resultados, que por sinal é o principal ponto da campanha da Microsoft em cima do Bing. Criticaram também as fotos que o serviço exibe na sua homepage, e a falta de grandes novidades.

No tópico do fórum do Meio Bit sobre o assunto, eu fiz um comentário em que disse que achava muito contraditório o público do site, tão sedento por novidade, fechar uma posição tão intransigente a favor do Google e contra o Bing. Aí, ainda durante essa semana, o google lançou um novo serviço no Labs, o Google Squared. A idéia é exibir os resultados em forma de matrizes, com informações sobre cada resultado agrupadas em colunas. A idéia é muito boa, se funcionasse desde o primeiro dia, como foi cobrado da Microsoft. Vejam os reultados de duas buscas que fiz:

A primeira foi “brazilian soccer teams”. Lembrando que o serviço ainda está disponível apenas em Inglês. Vejam o resultado:

google_squared

Com todo respeito aos clubes listados, mas para quem cobra relevância de resultados do Bing, ter o Comercial como primeiro resultado na busca por times de futebol brasileiros não é exatamente a melhor definição de relevância.

Ok, vamos mudar “teams” por “clubs”, afinal vários times do Brasil tem “Clube” no nome. A busca então ficou “brazilian soccer clubs”, e os resultados foram:

brazilian_soccer_clubs

Relevância de resultados bem melhor agora, mas as únicas informações corretas são as da 1ª coluna e algumas da 3ª. O restante parece até piada. Para o Vasco da Gama, foram exibidas as informações do navegador português. Já o nome completo do Botafogo foi “Ronaldo Luís Nazário de Lima”, que atualmente joga no Corinthians. A posição do Santos é “Defender”, ou zagueiro no nosso idioma. E dizer que o apelido do Internacional de Porto Alegre é “Seleção Canarinho” quase foi pior que o do Vasco da Gama.

Entendam aue não estou criticando o Google por lançar serviços novos, com uma idéia que tem tudo para dar certo, apesar de não ser original. O que eu estou questionando é o pensamento tão cristalizado de que serviços Web da Microsoft não prestam, e que tem que descobrir a roda caso queiram ter algum sucesso. Ora, o Bing está apenas no começo de sua carreira no mundo dos buscadores, e já é cobrado que ele seja estupendamente melhor que o Google, líder absoluto do setor, por causa de seus méritos. Mas o Google também passa seus apertos na hora de lançar coisas novas, e elas vão ao tempo se aprimorando.

Como eu disse lá no Meio Bit, não devemos nos fechar em uma tecnologia ou um serviço, se não estaremos condenando a Internet a se congelar em alguns nomes, e iremos bloquear a vontade de criar algo novo, essa força que vem movendo todo o seu desenvolvimento nesses últimos anos.

1 Comment