Skip to content

Selva de pedra, asfalto e buracos

O Brasil é um dos países em que mais se paga imposto no mundo, e um dos piores em prestação de serviços públicos e cumprimento de suas atribuições por parte do governo. A saúde pública é uma tragédia, a educação dispensa comentários de tão fraca que é. A segurança pública não recebe os investimentos corretos, como em inteligência e tecnologia. As pistas em diversas cidades são uma verdadeira reprodução do solo lunar: completamente esburacadas. Essa cratera aí da foto acima por exemplo foi a responsável por estragar boa parte da minha noite de quinta-feira.

Eu estava indo para uma confraternização da gerência do meu trabalho, já chegando ao local do evento, quando fui ultrapassar um carro que estava na faixa da direita, então quando troquei de faixa, pronto! Meu pneu e minha roda dianteira esquerda foram abatidos imediatamente. Então parei na saída de um condomínio que fica às margens da pista para tentar trocar o pneu. Lá também havia um casal em um Golf verde, estes com os dois pneus do lado esquerdo destruídos. Eles estavam indo para uma festa, e aí tiveram que esperar o cunhado do dono do carro chegar com um segundo estepe. Voltando ao meu carro, abri o porta-malas, peguei estepe, chave de rodas e macaco; coloquei o macaco na posição, e na hora de retirar os parafusos que prendem o pneu… Nada… Muita força e… nada! Dois dos parafusos sequer se mechiam. Pedi ajuda ao pessoal do Golf e que foi socorrê-los. Tentaram mais 2 pessoas e nada. Quanto mais tentávamos, pior ficava pois os parafusos já estavam ficando com as cabeças detonadas.

Então o dono do Golf me ofereceu uma carona até um posto que ficava a uns 500 metros dalí para tentar encontrar um borracheiro. Chegando lá o frentista me informou que lá não havia borracheiro e que o único posto que tinha ficava a mais de 10Km. Então o dono do Golf me desejou boa sorte e foi para sua festa, e eu agradeci e voltei para o carro. Tentei mais uma vez sem sucesso e resolvi ligar para um amigo meu que estava na confraternização para ir me socorrer no posto. Então levei o carro até o posto, a meio Km/h. E para mostrar que eu não sou incompetente, pelo menos mais oito pessoas também foram abatidas pelo buraco, enquanto eu estava por lá.

Quando cheguei no posto, meu amigo estava chegando também, com outro amigo e sua namorada. Tentamos trocar o pneu mais uma vez, mas não adiantou. Só piorava o desgaste da cabeça do parafuso. Então avaliamos que deixar o carro lá era a melhor opção, pois no posto ficava um vigia que cuidava das lojas que alí funcionavam. Fechei o carro e fui para a festa. Cheguei lá já cansado, tomei 3 cervejas, um pouco de grappa e depois fui para a casa do meu amigo, para descansar um pouco. Fui muito bem recebido pela sua mãe, e no outro dia conversei bastante com seu pai antes de ir abrir a loja do meu pai (achave estava no carro). Então o vizinho dele, que trabalha com pneus e rodas falou com o compadre para ir lá no posto comigo pegar o carro.

Ele levou uma chave especial, e quando chegamos lá foi só colocá-la no parafuso, subir e cima e pronto! Os parafusos saíram facilmente, para meu espanto. Voltamos e eu fui arrumar os estragos: um pneu cortado e uma roda amassada, por enquanto. Da parte física, fiquei tão cansado que sexta sequer consegui ligar o notebook de noite para escrever este post, e estou com os músculos das costas tão doloridos quanto se eu tivesse carregado uma geladeira sozinho.

Moral da história 1: Amigos de verdade são mais importantes que quase tudo na vida.
Moral da história 2: Não existem pessoas fracas. Existem pessoas que não dispõe das ferramentas mais adequadas. 

Gostaria de agradecer ao Tiago e a toda sua família pela hospitalidade.

PS: Na volta para casa ontem meu pai caiu com a mesma roda em uma outra cratera, quando ia ultrapassar um caminhão na subida. Por sorte dessa vez nada de muito grave aconteceu.

Be First to Comment

Deixe uma resposta