Skip to content

Agora é hora de Não Saber

O eleitor brasileiro, em geral, vota muito mal. E talvez uma das causas dessa falta de qualidade de voto seja a precipitação na hora de escolher o candidato que merece o seu voto. Segundo pesquisa do Datafolha sobre as eleições de São Paulo/SP, realizada a 23 dias das eleições, se as eleições fossem hoje, apenas 4% dos eleitores não saberia em quem votar. Para se ter uma idéia, pesquisa da DIAGEO/The Hotline, aponta 10% de eleitores indecisos nas eleições presidenciais americanas.

Essa é exatamente a hora de não saber em quem votar, de deixar de lado toda a paixão cega por um partido, e colocar na balança o que cada candidato promete e o que cada um pode cumprir. No caso de São Paulo, isso fica mais fácil, pois os principais candidatos já foram prefeitos da cidade. Mas mesmo que você more onde os candidatos a prefeitos são meros desconhecidos, faça tudo que estiver ao seu alcance para descobrir tudo sobre a vida pública dos candidatos. Um bom começo pode ser procurar pelo nome do candiadato no Google, ou dar uma olhadinha na declaração de bens na página do TRE do seu Estado.

Mesmo morando em Brasília, onde não há eleições municipais, fico preocupado com os resultados das eleições, principalmente das cidades do Entorno, pois por causa da bandidagem dos prefeitos dessas cidades, todo o sistema público de educação, saúde, segurança, transportes e a oferta de empregos ficam prejudicados, pois a população dessas cidades tem que correr para cá toda vez que precisa de algo. Pense nisso.

2 Comments

  1. Ótimo post, Victor! As pessoas tem que ter mais consciência e saber mais sobre quem votar, não votar por votar, que é o que acontece todas as eleições…
    Abração

    Último post de Rodrigo Piva –> Tributo ao Graffiti

    • Pois é, e depois não adianta o povo querer ficar chorando sobre o leite derramado. Na hora que as coisas não vão bem, muita gente se esquece que deu sua contribuição para aquilo. Poucos são os que têm responsabilidade cívica nesse país! Muito obrigado pelas palavras.

Deixe uma resposta