Skip to content

Tag: fundamentos

País dos espertinhos ou Mundo dos espertinhos?

Certas vezes, vejo algumas cenas que me produzem um estalo mental e fico pensando alguns dias sobre nossa sociedade. Não sobre como ela é “materialmente”, mas sim nos seus fundamentos, que talvez possam explicar os buracos sociais que temos. Outro dia, estava passando de ônibus pela avenida W3 sul, em Brasília e ví 2 carros parados no cruzamento e logo em seguida mais um chegando. Todos iam fazer um retorno e estava esperando a chance de entrar. Mas o problema é que usar os cruzamentos como retorno é proibido, e existia um retorno de verdade a menos de 200 metros dali.

no_left_turn

E isso não é um caso isolado. Observe os engarrafamentos em vias com acostamento. Sempre existe um bando de apressados que têm que usar a faixa por onde deveriam passar viaturas e ambulâncias. Sempre aparece alguém querendo se melhor que os outros, como se os que seguem as regras não tivessem pressa, ou não ficassem furiosos ao ver essas faltas de respeito. Como se regras fossem coisa de trouxas, e não uma forma de organizar uma grande quantidade de pessoas a fim de reduzir conflitos.

Quando a lei seca entrou em vigor, pipocaram na tv e nas conversas de botequim várias tentativas de forma de “driblar” a fiscalização. E isso sempre acontece. Sempre estamos em busca de uma forma de não seguir regras. Não fico de fora dessa, pois também dou minhas deslizadas. Mas nada que prejudique outras pessoas, como desvio de verbas de merenda escolar, direcionamento de licitações, conversas maldosas à meia-boca ou gambiarras na rede elétrica.

E quando converso com pessoas que já moraram em outros países, na maioria deles as pessoas que não seguem as regras tendem a ser discriminadas na sociedade, ao contrário do que ocorre por aqui. Para ilustrar, vejam o Campeonato Inglês de futebol. Se um jogador se jogar no chão para tentar enganar o árbitro, ele tomará uma sonora salva de vaias da torcida. Aqui se xinga o “juíz” por não ter marcado a “falta”. Longe de mim querer ser um moralista, mas talvez essa mania de jeitinho brasileiro possa ser a explicação para tamanha corrupção, falta de ética e por vários flagelos deste país. E aí o tiro sai pela culatra do povo.

Imagem: Mykl Roventine

3 Comments
%d blogueiros gostam disto: